A eleição de Donald Trump e as posições do presidente americano em relação ao México, dão margem para que o Brasil ganhe espaço nas trocas comerciais com os mexicanos. A afirmação foi feita nesta quinta-feira (13) pelo diplomata Maurício Lyrio, indicado para chefiar a embaixada brasileira na Cidade do México, ao ser sabatinado pela Comissão de Relações Exteriores e Segurança Nacional (CRE) da Câmara dos Deputados.

Em seu depoimento, Maurício Lyrio afirmou que Brasil e México vivem um momento muito favorável e as que as negociações entre os países acerca do acordo de complementação econômica (ACE-53) seguem “em ritmo acelerado”.

De acordo com o diplomata, na ampliação do ACE-53, o Brasil pretende ter, na comercialização de produtos agrícolas, as condições de livre comércio como têm hoje os Estados Unidos, Canadá e países da União Europeia.

Na opiniao do futuro embaixador no México, “temos um propósito que seria, pelo menos, ampliar o nosso acesso na área agrícola. No fundo, o propósito brasileiro seria tornar o acesso para grãos, carnes, lácteos no mercado mexicano mais ou menos o equivalente ao que têm países como Estados Unidos, Canadá e os países da União Europeia, que contam, sim, com acordo de livre comércio com o México”.

Maurício Lyrio disse ainda que  “há, também, um contexto internacional que é particularmente complexo do ponto de vista econômico e do ponto de vista político. Basta olhar, no entorno do México, a recente eleição que aconteceu num vizinho importante. Essa característica, eu diria, do sistema internacional, é outro elemento de incentivo à conjugação de esforços de países como Brasil e México”.

Conforme dados apresentados por Lyrio aos senadores, o volume do comércio entre Brasil e México nos anos 2015 e 2016, variou entre US$7 a US$8 bilhões. Enquanto nos anos de 2012 a 2013, as transações foram de US$10 bilhões. “Há um potencial não só de recuperação do patamar anterior, de US$10 bilhões, mas de ultrapassagem desse valor”, afirmou o diplomata.

Com a aprovação da CRE, a indicação do diplomata Maurício Lyrio segue agora para apreciação do plenário do Senado.

Fonte: Comex do Brasil